quinta-feira, 23 de abril de 2009

Perdas e Ganhos!


O que fazer quando tudo parece não ter resposta? Que caminho seguir ou que rumo tomar quando você percebe que alguma coisa está errada? Há uma semana, um jovem de 21 anos de idade, com todo vigor e com uma a vida pulsante, toma umas e outras com os amigos, pega o carro, capota e morre.


Eu o conhecia e jogávamos bola por muito tempo na quadra que temos na igreja onde trabalho. No momento da notícia, recebo aquele choque natural e penso que é brincadeira, aquelas piadas que a gente faz pra quebrar o gelo na conversa. Percebo que não; não é brincadeira! Ele havia, de fato, morrido naquele acidente de carro. O mais absurdo da história é que somente ele faleceu. Dos ocupantes do carro, somente ele foi a vítima fatal desse trágico acidente. O que está acontecendo com nossos jovens? Onde estamos errando? Alguns pensam e criticam os pais. Penso que jogar mais um fardo pesado nas costas desses heróis seria um pecado mortal. Outros sugerem que a culpa está na igreja, outros jogam na sociedade, e ainda têm alguns com a cara de pau de dizer que a culpa está nas escolas. Já bastam a falta de respeito e a desvalorização que o professor recebe. Ficamos nesse joguinho ridículo de descobrir de quem é a culpa e ficamos de camarote assistido nossos filhos e filhas, jovens bonitos e cheios de sonhos, morrerem diante dos nossos olhos.


Creio que a gente mesmo poderia responder a essa pergunta se olhássemos para dentro de nós primeiro e percebêssemos que o maior culpado dessa bagunça estar acontecendo somos nós mesmos; cada um especificamente!


Não é normal pela ordem da vida que um pai sepulte seu filho ou filha! Simplesmente não é normal! Parece que esse desejo de curtir o máximo que a vida pode oferecer está ceifando nossos filhos e amigos sem a gente dar conta. Mesmo que morra dez jovens em acidentes por conta de bebedeiras e drogas, ainda assim vemos drogas rolando livremente nas festas e baladas, vemos gente menor de idade com garrafas de cerveja e Smirnoff Ice nas mãos e posando para fotos para depois postarem nos seus Orkuts, achando que são donos de si e donos de suas vidas frágeis. Às vezes até acho que fazem isso para atingirem alguém, para provocarem alguém. Não os condeno. Sinto pena. Eles não precisam disso!


Posso dizer segura e desesperadamente que, como pastor que trabalha com juventude, não sei mais o que fazer, o que pensar, o que responder. Só penso em buscar em Deus a solução para essa loucura que está fazendo pais, mães, irmãos, irmãs, parentes e amigos ficarem completamente perdidos e tomarem atitudes que, outras vezes, não precisariam ser tomadas.
Sinto no meu coração uma tristeza, uma dor de ferida aberta, sem cura ou cicatrização. Sinto meu coração secar de tanto sangue que já jorrou, sinto meus olhos arderem porque não há mais lágrimas para lubrificá-los, sinto meus nervos atrofiarem, minha voz fraca e minha cabeça explodir. O que fazer? O que fazer?


Acredito que através de uma união de forças – pais, igrejas e imprensa – podemos melhorar isso que chamamos de mundo. Estou cansado de ouvir falar em discussões sobre coisas inúteis e fúteis para minha vida. Estou cansado de resolver picuinhas criadas por pessoas sem noção do que está acontecendo. Estou cansado de ouvir pessoas falando quem é melhor que quem, comparando líderes, fazendo joguinhos com as pessoas como se fossem fantoches. Estou cansado de criar programações legais e edificantes e ouvir ainda que é perca de tempo investir nos jovens ou até mesmo de participar dessas programações. Estou cansado de gente que não está nem aí para as tragédias que estão acontecendo e que só querem saber de suas próprias vidas, vivendo no seu chiqueirinho de mentiras e de mágoas passadas e que não tem coragem de resolvê-las e encará-las de frente.


Já perdemos tanto tempo e tantas vidas que nem me meto em contar. Já sinto o peso do sangue dessas vidas caindo sobre mim. Perdemos tempo e vidas olhando para nossas próprias faltas e revoltas sem causa alguma. Interesses pessoais mais importantes que os interesses do Reino. Minha vida do jeito que eu penso que deve ser muito mais importante que minha vida do jeito que Cristo pensa que deve ser. Estou cansado de ser muito bonzinho pra quem não dá valor naquilo que Cristo dá valor; na minha e na sua vida!


Agora temos “novos heróis”. Os pastores que nunca passam por dificuldades ministeriais com juventude. Já conversei com alguns e depois da conversa me senti o pior pastor de jovens da face da Terra. Nunca tem dificuldades, nunca tem nada de errado, a turma dele é a turma, e tudo coopera para bem daqueles que freqüentam somente a turma dele. Sinto-me pequeno e totalmente inútil perto desses “gigantes pela própria natureza”. Não são humanos, não sentem dor, não compartilham nada, são grosseiros e metidos a donos da verdade eterna. Estou farto desses! Quero distância de gente assim! Não me acrescentam nada, porque neles não há nada que acrescente a alguém. Somente rancor, maledicência e chatice.


Acredito que você deva estar sentindo a mesma coisa que eu. Um cansaço, uma fatiga, um suspiro ofegante de alguém que deve ter tentado de tudo e não consegue ter forças para tentar dar o último. Minha oração é que você encontre esperança nos pequenos atos de pequenos servos do Redentor que querem fazer a diferença na vida desses jovens – vale aqui lembrar, cristãos ou não. Todos eles merecem uma segunda chance de viver uma vida digna, de crescerem, de se formarem, de casarem e de terem filhos e vê-los crescer, de ficarem prósperos, de terem histórias para contar.


Quero que você se junte a mim nesse clamor pela vida dos nossos jovens. Por uma vida mais alegre, mais feliz, recheadas de histórias engraçadas e de histórias marcantes. Quero que você ecoe comigo nesse grito desesperado por uma juventude mais digna; menos sofredora e mais alegre.


Choro pela perda desse amigo, mas choro também pelos Josés, Marias, Antônios, e tantos e tantas outras que não caberiam aqui, tantos desconhecidos que ninguém ouviu falar e que ninguém conheceu, mas são amigos de anjos, que precisam urgentemente entender de uma vez por todas que com Cristo eles têm muito mais a ganhar do que perder.

Um comentário:

wilma disse...

Pastor querido, faço suas as minhas palavras!
Deus te abençoe!
Bjus