sexta-feira, 31 de julho de 2009

Utilidade Pública!

Se...


Se a pessoa que vc ama treme quando te abraça;

Se vc sente seus lábios ardentes como brasas;

Se vc sente a sua respiração se agitar;

Se vc vê os seus olhos ferverem com um brilho especial;


CORRE!!! Ela tem Gripe Suína!!!

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Rachei...


Vai Nessa!


A Igreja Que Não existe Mais!


Atos 2: 43 a 47.

Na época do surgimento da Igreja do Novo Testamento, a palavra igreja significava, apenas, uma reunião qualquer de um grupo organizado ou não. Assim, o texto nos revela que havia um grupo organizado em torno de sua fé (Todos os que criam estavam unidos) – todos acreditavam em Cristo.Segundo o texto, os participantes do grupo do Cristo não tinham propriedade pessoal, tudo era de todos (tinham tudo em comum)– os membros desse grupo vendiam suas propriedades e bens e repartiam por todos – e isso era administrado a partir da necessidade de cada um; e se reuniam todos os dias no templo; e pensavam todos do mesmo jeito, primando pelo mesmo padrão de vida (unânimes); e comiam juntos todos os dias, repartidos em casas, que, agora, eram de todos, uma vez que não havia mais propriedade particular; e eram alegres e de coração simples; e viviam a louvar a Deus; e todo o povo gostava deles, e o grupo crescia diariamente. Diariamente, portanto, havia gente acreditando em Cristo, se unindo ao grupo, abrindo mão de suas propriedades e bens e colocando tudo a disposição de todos.Essa Igreja era a Comunhão dos santos – chamados e trazidos para fora do império das trevas, para servirem ao Criador, no Reino da Luz.Essa Igreja não precisava orar por necessidades materiais e sociais, bastava contar para os irmãos, que a comunidade resolvia a necessidade deles.

Deus havia respondido, a priori, todas as orações por necessidades materiais e sociais, fazendo surgir uma comunidade solidária.O pedido: “O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje. (MT 6.9) ” estava respondido, e diariamente.Então, para haver o “pão nosso” não pode haver o pão, o bem ou a propriedade minha, todos os bens e propriedades têm de ser de todos.Mais tarde, eles elegeram um grupo de pessoas, chamadas de diáconos – garçons, para cuidar disso (At 6.3). Então, diante de qualquer necessidade, bastava procurar os garçons, que a comunidade cuidava de tudo. Era o princípio do direito: se alguém tinha uma necessidade, a comunidade tinha um dever.Essa Igreja não existe mais!

“Está doente algum de vós? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungido-o com óleo em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.” Tg 5.14,15Os membros da comunidade do Cristo não precisavam orar por cura física, bastava procurar os presbíteros: lideres eleitos pelo povo, a partir de suas qualidades como cristãos (1Tm 3.1-7); que eles ungiriam com óleo, que representa a ação do Espírito Santo, porque é o Espírito Santo, quem unge e cura (Lc 4.18), e a pessoa seria curada; claro, sempre segundo a vontade do Senhor, porque essa é a regra de ouro: “Venha o teu Reino, seja feita a tua vontade, assim na Terra como no Céu. (MT 6.10)”Os crentes em Jesus de Nazaré, não precisavam fazer varredura espiritual para ver se tinham qualquer problema, parecido com o que hoje é chamado de maldição hereditária, ou similar. A oração dos presbíteros ministrava o perdão de Deus, conquistado por Cristo na cruz e na ressurreição.Deus havia respondido todas as orações por cura física pela instituição de presbíteros, que tinham a autoridade para ministrar o poder de Cristo sobre a enfermidade, segundo a vontade de Deus, dependendo, portanto, apenas, do que o Altíssimo tivesse decidido sobre a pessoa em questão.Essa Igreja não existe mais!

Pelo que orava a Igreja do Novo Testamento?“Mas eles ainda os ameaçaram mais, e, não achando motivo para os castigar, soltaram-nos, por causa do povo; porque todos glorificavam a Deus pelo que acontecera; pois tinha mais de quarenta anos o homem em quem se operara esta cura milagrosa. E soltos eles, foram para os seus, e contaram tudo o que lhes haviam dito os principais sacerdotes e os anciãos. Ao ouvirem isto, levantaram unanimemente a voz a Deus e disseram: Senhor, tu que fizeste o céu, a terra, o mar, e tudo o que neles há; que pelo Espírito Santo, por boca de nosso pai Davi, teu servo, disseste: Por que se enfureceram os gentios, e os povos imaginaram coisas vãs? Levantaram-se os reis da terra, e as autoridades ajuntaram-se à uma, contra o Senhor e contra o seu Ungido. Porque verdadeiramente se ajuntaram, nesta cidade, contra o teu santo Servo Jesus, ao qual ungiste, não só Herodes, mas também Pôncio Pilatos com os gentios e os povos de Israel; para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho predeterminaram que se fizesse. Agora pois, ó Senhor, olha para as suas ameaças, e concede aos teus servos que falem com toda a intrepidez a tua palavra, enquanto estendes a mão para curar e para que se façam sinais e prodígios pelo nome de teu santo Servo Jesus. E, tendo eles orado, tremeu o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com intrepidez a palavra de Deus.” At 4.21-31Oravam para que nenhum sofrimento os impedisse de glorificar a Cristo, de anunciá-lo com coragem e determinação – o Cristo que eles viviam diariamente pela fraternidade solidária. Oravam por missão!Para além da Igreja que está sob perseguição, não há sinal de que essa Igreja ainda exista!

O que existe?

A Comunhão dos santos existe na realidade da Igreja invisível. Mas, que relevância tem na história uma igreja invisível?- Ajuntamentos cúlticos – há os que procuram se pautam pela Bíblia, e os que nem tanto.- Instituições – (muitas e cada vez mais) há as que ainda tentam ser apenas um odre para o vinho, e as que nem tanto.- Discursos sobre Cristo e sua obra – há os que falam sobre Jesus, segundo a Bíblia, e os que nem tanto.- Conversões pessoais – há as que trazem marcas do Novo Testamento, e as que nem tanto.- Missionários – há os que pregam a Cristo, sua morte e ressurreição, e os que nem tanto. O apoio ao missionário está mais para esmola do que para sustento.- Ação social – há as que querem emancipar o pobre, por amor a Cristo, e as que nem tanto.- Pastores e Lideres – há os que tentam alcançar o padrão dos presbíteros do Novo Testamento, e os que tanto menos.- Títulos - em profusão, constratanto com a escassez de irmãos.- Orações - principalmente, por necessidades materiais, sociais e de cura, que parecem não ser respondidas, pelo menos, não a contento.- Milagres – (mas pessoais) a misericórdia divina continua se manifestando, porém, não se entende mais o princípio de sua ação.- Ministérios – há os que são ministros (servos), e os que nem tanto.- Riqueza – Instituições estão cada vez mais ricas, e há os que usufruem da mesma.
- Ricos e Poderosos - muitos e cada vez mais se declaram conversos, mas não se converteram como Zaqueu.- Irmãos e irmãs que amam a Cristo e a Igreja, mas que estão cada vez mais confusos sobre o que estão assistindo – e há, cada vez mais, um amor em crise.E ecoa a voz do Cristo: Contudo quando vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra? (Lc 18.8)

Talvez, ainda haja tempo de pedir perdão!

Por Ariovaldo Ramos.

Inimigos Públicos



Ontem fui ao cinema com minha esposa e acabei assistindo um dos filmes mais esperados (pelo menos, para mim) sobre a vida de um famoso Gângster chamado John Dillinger, interpretado por Johnny Depp, e como aconteceu seu fim fatal.
Pra falar a verdade, gostei muito do filme por causa do enredo e dos atores que estavam no elenco. Nomes como Christian Bale, Johnny Depp, Stephen Dorff e outros compõem o hall e estrelas desse filme.
A história acontece na década de trinta, logo no início da crise financeira que estorou em 29. O filme tem seu início na tentativa, e posterior sucesso, de um resgate de presos, parte do bando de Dillinger. A fuga acontece, mas alguns do bando morrem no tiroteio com a polícia. Um deles inclusive executado pelo próprio grupo, pois não obedeceu algumas ordens básicas como por exemplo, chamar a atenção demais.
Daí você consegue perceber a ética tanto bandida quanto da lei, retratada pelo agente especial Melvin Purvis, interpretado por Bale.
O bacana nesses filmes, eu acho, é que desperta discussões éticas. Um exemplo clássico disso é que você passa a gostar de Dillinger e torcer para que toda tentativa de fuga dê certo. Você não consegue torcer para o FBI, apesar de saber que eles estão do nosso lado. Quando finalmente acontece o que ninguém quer, percebi ontem um certo desânimo, um suspiro no ar de desolação, querendo dizer que não era para ser assim, apesar de sempre a gente saber que, no final, em sua maior parte, o bandido se dá mal.
Quem na verdade são os inimigos públicos? Essa é a grande questão nesse filme. É claro que o bem e o mal ficam bem nítidos pelos nomes, mas os métodos são colocados em jogo. Os métodos do FBI e os métodos do bando de Dillinger são mostrados e nos fazem pensar quem, na verdade, seriam os inimigos públicos.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Enquanto Isso Na Cozinha de Casa...


Carteira de Motorista da Loira!

Dentro do Meu Bunker!


Deveríamos primeiro entender o que significa “Bunker” para assim entender o sentido desse artigo. O Bunker nada mais é do que um esconderijo, um porto seguro anti-bombas durante períodos de guerra intensa tendo o subsolo como lugar de construção. É um refúgio para os lideres e até mesmo para a população diante de um iminente ataque de inimigos. Essa palavra ficou muito conhecida durante o período da Segunda Guerra Mundial quando da ocasião da invasão russa em território alemão, os nazistas se refugiaram no que o mundo conheceu como o “Bunker de Hitler”.


Nesse lugar, conta-nos a história, Hitler e seus asseclas se protegeram daquilo que parecia ser impossível de impedir, ou seja, a derrota diante o exército vermelho. Muitos homens se mataram dentro desse Bunker, inclusive o próprio Hitler com sua esposa Eva Braun. O que deveria servir para proteger acabou sendo o lugar de seus últimos momentos de vida. Para muitos, o Bunker serviu como um grande mausoléu de alguns generais e muitos soldados que não suportaram a derrota e eram seguidores de Hitler, até mesmo seguindo-o na morte.


Conversando com pessoas cristãs sérias, que querem levar uma vida sincera diante de Deus e que querem conservar uma integridade diante da Escritura, tanto na sua maneira de pensar como na sua maneira de agir, cheguei a uma conclusão sobre a espiritualidade de nossos dias. Muitos cristãos estão vivendo dentro de seus próprios “Bunkers” enquanto a guerra está pegando do lado de fora.


Muita gente olha apenas para próprio umbigo e para seus próprios problemas e não consegue enxergar o mundo a sua volta, um mundo ardendo em sofrimento e dor. Um mundo que pede que saiamos dos nossos Bunkers e nos reúna a eles em batalha.


Não consigo entender como muitos cristãos conseguem conviver dentro da Igreja do Senhor sem entender que essa Igreja é um corpo e que só tem um dono e esse dono se chama Jesus de Nazaré e tem muita gente apelidando Cristo, usando de nomes próprios ou de outras pessoas para tomar posse do poder sobre a Igreja e isso é pecado dos graves. É querer usurpar um lugar que é de Deus e pelo que me lembro, o último que quis fazer isso está pagando uma pena eterna de condenação e tormento sem fim.


Um Bunker é feito para proteger, para ser um refúgio diante de guerras e de conflitos. É um guarda-pessoas onde civis deveriam ser protegidos dos ataques, mas a história nos mostra que quase nenhum civil ficou protegido dentro desses lugares, mas apenas homens que deveriam estar na batalha. Houve uma troca; civis, que deveriam estar dentro estavam fora; e os generais e soldados, que deveriam estar do lado de fora, estavam dentro.


Não pertenço mais a mim mesmo; sou de Cristo e isso faz toda a diferença. Devo sair do meu Bunker para lutar com meus amados irmãos que estão na luta pela causa do evangelho, sabendo que a vitória já é nossa. Devo sair do meu Bunker porque minha proteção não está embaixo, mas vem de cima!

terça-feira, 21 de julho de 2009

20 de Julho - Dia do Amigo!


Parabéns a todos os que são amigos de verdade.

Parabéns àqueles que não me deixaram fazer o que me deu na telha, àqueles que chamaram minha atenção quando precisei, àqueles que não passaram a mão em minha cabeça quando viram e perceberam um erro ou uma queda iminente.

Parabéns àqueles que gostam de mim não pelo meu cargo, não pelo meu título, àqueles que não me respeitam por essas coisas, mas pelo meu caráter e por aquilo que sou, ou seja, um filho de Deus carente da mesma misericórdia que meus amigos.

Parabéns àqueles que são e sempre serão lembrados, mesmo que não seja visível essa lembrança através de cartões ou mesmo de mensagens pelo Orkut ou MSN ou mesmo pelo Twitter, mas sempre terão seus lugares cativos em meu coração.

Parabéns a vcs que entenderam meu momento de dor e de tratamento, que não jogaram fora nenhuma palavra e nenhum minuto do seu tempo, mas oraram por mim, mesmo sabendo que eu não tinha a mínima condição de retribuir tal ato.

Parabéns aos amigos de infância que fizeram da minha vida a beleza que é, de acrescentar aos meus dias momentos de intensa alegria e prazer de conviver com vcs. Parabéns aos amigos de colégio, aos amigos do trabalho, aos amigos de qualquer lugar. Obrigado por vcs existirem e de sempre serem o que são; meus amigos!

Quais as Chances de um Jovem Viver?


Estudo estima que violência pode matar 33 mil jovens no Brasil em 7 anos
Índice mede a probabilidade de um adolescente ser assassinado nas cidades brasileiras.

Um estudo inédito divulgado nesta terça-feira pela Secretaria Especial de Direitos Humanos estima que 33.504 adolescentes brasileiros serão assassinados em um período de sete anos, que vai de 2006 a 2013.

O levantamento foi realizado pelo Laboratório de Análise da Violência da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), em parceria com o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e com o Observatório de Favelas.

A estimativa foi feita com base em dados de 2006, considerando-se a hipótese de que as circunstâncias observadas naquele ano sejam mantidas.

Foram coletadas informações sobre as causas de mortes entre jovens de 12 a 19 anos de idade em 267 municípios, todos com mais 100 mil habitantes.

O estudo também apresenta, pela primeira vez, o Índice de Homicídios na Adolescência (IHA) no Brasil, que mede a probabilidade de um adolescente ser assassinado.

O valor médio do IHA brasileiro é de 2,03 ou seja, de cada 1 mil adolescentes, 2,03 serão vítimas de homicídio antes de completar os 19 anos.

"Esta cifra por si só deveria ser suficiente para transmitir a gravidade do fenômeno no Brasil, particularmente se lembrarmos que o homicídio contra adolescentes deveria ser, a princípio, um fato extremamente raro em qualquer sociedade", diz o estudo.

A cidade com pior índice é Foz do Iguaçu (PR), com IHA de 9,7. Logo em seguida vêm Governador Valadares (MG), com 8,5, e Cariacica (ES), com 7,3.

O município do Rio de Janeiro aparece na 21ª posição na lista, com IHA de 4,9, enquanto São Paulo fica em 151º lugar, com índice de 1,4.

Homens e negros

O estudo também indica que, entre os homens, a probabilidade de uma morte por homicídio é 12 vezes maior do que entre as mulheres.

Já a probabilidade de que um negro seja assassinado é duas vezes maior do que um branco, de acordo com o levantamento. A maior diferença foi constatada na cidade de Rio Verde (GO), onde a chance de um adolescente negro ser morto é 40 vezes maior.

Também foi calculada a probabilidade de um adolescente ser morto por uma arma de fogo. Em todo o Brasil, essa chance é três vezes maior, em comparação com outras armas.

Os homicídios foram responsáveis por 46% das mortes entre adolescentes registradas em 2006. As mortes naturais somaram 26% e os acidentes, 22%. Os números apontam ainda que 3% dos adolescentes mortos se suicidaram e outros 3% morreram de causas "indefinidas".

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Dois Sonhos!

Algumas coisas têm mudado na minha vida e eu gostaria de compartilhar com vocês o que tem se passado comigo. São mudanças de prioridades. Não consigo mais ter a mesma vida e lidar com as mesmas situações com a mesma visão de sempre. Não! Ao ler a Bíblia eu percebo que a humanidade inverteu completamente o plano de Deus, assumindo uma independência fatal para a existência da raça humana na Terra. Inverteram-se os sonhos! Agora não mais se sonha com um mundo melhor, mas com a minha vida ser melhor. O outro? Ele que sonhe com a vida dele!

O nosso mundo de hoje se tornou extremamente individualista e assassino de sonhos e de esperança! Quando o mundo olha pra a Igreja, ele espera não encontrar tanta mazela e tanta sujeira. Apesar de sermos humanos e de carregarmos conosco ainda a mancha do pecado dentro de nós, há também no nosso ser uma vantagem que faz toda a diferença; o espírito de Deus. E se não crermos nisso, não podemos viver e refletir isso no mundo que a gente vive.

Tenho dois sonhos agora totalmente diferentes daqueles que anelavam o meu coração até pouco tempo atrás. O primeiro tem a ver com meu entendimento agora do que são eternidade e viver esperando por ela. E não só isso, mas anunciando através de minhas escolhas e posturas, através da minha maneira de ser, que essa eternidade existe. Vale dizer aqui que não pertencemos a essa terra e nem ficaremos muito tempo aqui.

Mas o que tenho visto são pessoas que não querem a eternidade. Sabem que lá é um lugar muito bom e bonito, mil vezes melhor do que temos vivido, mas não queremos, não ansiamos, não sonhamos em ir para lá. Não estou aqui desvalorizando a vida, muito pelo contrário, estou sim dando valor para aquilo que realmente importa nesse mundo; nossa alma. Ela continuará vivendo e para onde ela irá cabe a todos nós essa responsabilidade de decidir.

Sonho com a eternidade. Sonho com o céu. Sonho com esse lugar onde a palavra diz que não há palavras para descrever. Sonho com esse lugar onde não há mais dor e nem sofrimento, onde não há mais morte nem rancor, onde não há mais fofoca e nem desejos malignos. Quero que meus olhos se encham das maravilhas que meu Deus preparou para mim desde antes da fundação desse mundo. Desejo reencontrar entes e amigos queridos que já estão festando. Quero ficar longe desse corpo e dessa maldição.

Meu segundo sonho é aquele que quero realizar em vida. Um sonho que arde dentro do meu peito e faz com que cada manhã seja bem-vinda. É uma vontade imensa de fazer diferença onde eu for ou onde eu estiver. É um sentimento intenso de fazer barulho e de causar um reboliço naquilo que se diz ordem em um mundo de desordem. Quero que minha vida seja um eco da cruz e um reflexo da tumba vazia.

Quero hoje não ser mais medíocre e convido a todos os desanimados, tristes, angustiados, decepcionados a irem comigo por esse caminho de difícil caminhada, mas com uma bela recompensa no final; a coroa da vida. Vencedores são aqueles que mesmo caindo, levantam-se e não desistam, mesmo quando tudo parece dizer que nunca vai dar certo.

Diferentes Formas de Contar a Mesma História!


História de Chapeuzinho Vermelho

1. JORNAL NACIONAL

William Bonner:'Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem...'.

Fátima Bernardes:'... mas a atuação de um caçador evitou uma tragédia'.

2. PROGRAMA DA HEBE

Hebe Camargo:'... que gracinha gente. Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?'

3. BRASIL URGENTE

Datena:'... onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? ! A menina ia para a casa da vovozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi devorada viva... Um lobo, um lobo safado. Põe na tela!! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não.'

4. REVISTA VEJA

Lula sabia das intenções do lobo.

5. REVISTA CLÁUDIA

Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho.

6. REVISTA NOVA

Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama.

7. FOLHA DE S. PAULO

Legenda da foto: 'Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador'.Na matéria: box com um zoólogo explicando os hábitos dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

8. O ESTADO DE S. PAULO

Lobo que devorou Chapeuzinho seria filiado ao PT.

9. O GLOBO

Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT que matou um lobo pra salvar menor de idade carente.

10. ZERO HORA

Avó de Chapeuzinho nasceu no RS.

11. AGORA

Sangue e tragédia na casa da vovó

12. REVISTA CARAS

Ensaio fotográfico com Chapeuzinho na semana seguinte. Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS:'Até ser devorada, eu não dava valor para muitas coisas da vida. Hoje sou outra pessoa!'

13. PLAYBOY

Ensaio fotográfico no mês seguinte.'Veja o que só o lobo viu.'

14. ISTO É

Gravações revelam que lobo foi assessor de político influente.

15. G MAGAZINE

Ensaio fotográfico com lenhador.'Lenhador mostra o machado!'

16. SUPER INTERESSANTE

Lobo mau! Mito ou verdade ?

17. DISCOVERY CHANNEL

Vamos determinar se é possível uma pessoa ser engolida viva e sobreviver.

Maldade...

Harry Potter e o Enigma do Príncipe!


Ontem assisti o último filme lançado pela Warner sobre o bruxinho simpático "Harry Potter". Foi muito interessante porque fui apenas por causa de uma cena específica do filme que acontece apenas no final da trama, mas conforme o filme foi passando, fui gostando do resultado e da história que agora ganha uma amplitude que você nem imaginaria quando da vez da "Pedra Filosofal".

"O Enigma do Príncipe" conta as aventuras de Harry logo após os eventos traumáticos da batalha entre os Comensais da Morte e a Ordem da Fênix onde acabou ceifando seu padrinho, Sirius Black. Harry precisa lidar com essa perda e com muitas outras que ainda aconteceram em sua vida e para tanto, Dumbledore o chama para conhecer a fundo a história por trás do mito Voldemort.

É claro que agora, o trio de Hogwarts está crescido e passa a experimentar a maravilhosa fase da adolescência e do descobrimento do amor.

Um filme bacana, mas vale lembrar que é o mais sombrio até agora da série. Claro que "As Relíquias da Morte", o sétimo e último livro da série, é bem mais sombrio e com batalhas bem mais sérias e perdas mais significantes do que em qualquer outro livro da série, mas "O Enigma do Príncipe" abre as portas para o que de pior e o que de melhor pode acontecer em Hogwarts. vale a pena conferir!

terça-feira, 14 de julho de 2009

Pânico na Igreja!


Muitas pessoas estão sendo assoladas por um mal que toma conta da nossa mente e coração, e que muitas pessoas não conseguem entender. Há perguntas do tipo: “Como o que o fulano tem isso?” ou “Isso só pode ser frescura do beltrano! Ele nunca teve nada!” e mais várias outras frases que ocupam o vocabulário de gente que não entende como funciona ou o que acontece com alguém que tem a Síndrome do Pânico ou Transtorno de Pânico.

Não sou nenhum psiquiatra e nem mesmo um especialista do caso, mas passei por momentos muito graves e sei bem o que pessoas que enfrentam essa tribulação passam. Uma das coisas a serem faladas sobre esse assunto, isso na visão de quem está enfrentando a síndrome e não na visão de quem está tratando, é encarar isso como uma doença física, com fundos emocionais e espirituais. O corpo responde às reações negativas e a experiências traumáticas mandando sinais físicos como, por exemplo, a depressão e todas as doenças psicossomáticas. Doenças com fundos emocionais e espirituais, mas que o corpo acaba respondendo e sofrendo as conseqüências. Por isso se trata do físico junto com o emocional e espiritual, pois a cura precisa ser completa.

Muitas vezes as pessoas nos trazem informações mais traumáticas que o mal em si. Por exemplo, já diagnosticado como tendo o diabo ou algum demônio no corpo. Quando ouvi isso fiquei pior ainda, porque passaram mil idéias na minha cabeça sendo uma delas o fato de que se o demônio está comigo, então Deus não está. Na verdade, onde o inimigo está, também Deus está porque Ele é onipresente e onde Ele está só pode haver uma reação do inimigo, a agitação e o desconforto, mas essa é a reação do inimigo. Em nós a reação é bem diferente, a reação é de paz e tranqüilidade, de descanso e de esperança, mesmo que seja em um momento de crise de pânico. Então, se você achar ou tiver alguém na sua casa, no seu trabalho, no seu meio de convívio com essa enfermidade, ore por ele ou ela. Seja amigo mesmo, não aquele amigo da onça que só visita para desencargo de consciência. E o mais importante, procure entender o momento da pessoa.

Todos nós, em algum momento das nossas vidas, passamos por um tempo de depressão ou por um tempo de descontrole emocional e espiritual que causaram grandes males para nós mesmos e de grande preocupação para nossas famílias e amigos. Todos nós! E aqueles ou aquelas que enfrentam o Pânico, na grande maioria dos casos, são pessoas que se sobrecarregam pelos outros. São pessoas boas, são pessoas amáveis, inteligentes e muito prestativas. Podem ser extrovertidos ou não, mas pessoas muito confiáveis e pessoas que querem abraçar o mundo em suas costas. Eles ou elas decidem que vão sofrer pelos outros para que os outros não sofram. Esse é o perfil da grande maioria de quem enfrenta e sofre de Pânico. É gente que sofre calada!

Por isso que não devemos julgar antes de conhecer e saber dos assuntos. Entre em sites especializados, pesquise e procure conhecer para não cometer burradas e bobagens que podem piorar o estado de saúde de seu ente querido ou amigo.

Acima de tudo isso que eu disse em poucas palavras; seja alguém que mostre que está se esforçando para entender e ajudar. Não passe a imagem de descarte, de zombaria, de indiferença. Esses sentimentos causam males piores que o próprio Pânico. Portanto, cuide e, como disse o poeta, “quando a gente gosta, é claro que a gente cuida”.

O Melhor Erro de Gravação dos Trapalhões!

video

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Nisso Eu Creio!


Baseando-se nas atuais pregações e palestras que são ministradas na televisão, proponho uma reafirmação do Credo Apostólico, com algumas considerações a mais. Um credo que afirma e deixa claro determinadas diretrizes como quando feito pela primeira vez por ocasião de Marcion. Acredito que tendo esse credo em mãos, podemos nos afirmar mais uma vez como amantes da Palavra, sendo fiéis aos seus princípios e verdades que não fazem hoje a cabeça de muita gente. Então lá vai:

Creio em Deus Pai, criador de todas as coisas no céu, debaixo do céu; no mar e naquilo que o compõe; na terra e debaixo e acima dela; no ar e em tudo aquilo que o ocupa. Creio que esse Deus é amor e não permite ser trocado por ninguém e nem por nada, seja dinheiro, poder, fama, riquezas, auto-aceitação, ou até mesmo cargos eclesiásticos. Creio no Deus único e verdadeiro que a Bíblia nos apresenta como sendo a forma mais pura e santa do significado da palavra perdão. Creio em Deus Pai, aquele que me recebe mesmo quando caio, que me ama independentemente do fato de eu ser pobre, rico, negro, branco, douto ou analfabeto, independentemente dos gostos, das vontades e das opiniões. Creio em Deus, aquele que não compartilha Sua glória com ninguém e com nenhum ser humano, seja ele político, pastor ou auto-intitulado “apóstolo”. A glória pertence a Ele e a cátedra de dono e Senhor do Universo já está sendo ocupada por Ele desde a eternidade, e assim será por toda a mesma. Creio em Deus, o Justo Juiz que não permite que sejamos mais do que Ele em nossos pseudo julgamentos. Creio nesse genuíno Deus que não aceita reuniões de culto sem antes resolvermos nossa vida com nosso irmão. Creio nesse Deus que ama as pessoas muito mais que as regras e os costumes impostos para poder agradá-Lo. Creio em Deus Pai, criador do céu e da Terra.

Creio em Jesus Cristo, o Nazareno. Aquele que veio em carne; nasceu de uma virgem chamada Maria em um local não muito apropriado para um rei, mas confortável o suficiente para um Servo dos homens. Servo este que mostrou ao mundo o que é amar, a personificação do perdão, a encarnação do amor, é Deus feito gente e habitando entre nós. Sentindo as mesmas dores e privações. Sofrendo as mesmas limitações e necessidades humanas como fome e sede. Chorando as mesmas lágrimas que nós todos. Ele sim é homem de dores e sabe muito bem o que é padecer. Creio em Jesus, o Messias o prometido, o ungido da parte de Deus que não veio sarar quem é são, mas curar quem de fato reconhece que está doente e que precisa de ajuda e que não foge do fato de que é um necessitado, pobre, cego e nu. Creio nesse Nazareno que optou morrer por uma humanidade que ninguém daria nenhuma dracma para resgatar. Creio nesse Deus-homem/homem-Deus que se negou a si mesmo e esvaziou-se da glória eterna para andar, correr, rir e chorar com aqueles que necessitavam de uma visão mais pessoal de um Deus tão afastado pelos usos e costumes impostos pela sociedade. Creio nesse Jesus amigo e que consola e que traz esperança quando nosso ente mais querido está sepultado há mais de três dias ou quando recebemos a notícia que nossa filha morreu sem que antes o Mestre chegasse a casa. Creio em Jesus que cura, mas não em um curandeiro barato em que achamos em qualquer esquina; creio em Jesus salvador, mas não em um mercenário que salva se dermos o dízimo, que liberta se der nosso carro ou casa ou qualquer bem material para comprarmos Seu favor e Seu amor. Creio em um Jesus que decidiu passar pela cruz para mostrar a humanidade que vale a pena pagar um preço alto pela liberdade de quem nós amamos. Creio em Jesus Cristo, aquele que padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, que foi crucificado, morto por minha causa, pela minha salvação e para que eu tivesse vida, sepultado, mas que ao terceiro dia a morte não conseguiu segurar, não conseguiu vencer, não conseguiu prender. Creio em Jesus Cristo, o Rei que um dia virá novamente para nos reunirmos com Ele e para nunca mais chorar.

Creio no Espírito Santo, a terceira pessoa da Santíssima Trindade. Creio no Espírito Santo Consolador, que me ampara quando sofro e quando perco, mesmo quando penso que não merecia passar pelo que estou passando, mesmo quando fecham as portas que nunca achei que iriam fechar, mesmo quando pessoas viram as costas para mim, mesmo sendo gente que nunca achei que faria isso, mesmo quando penso em acabar com minha vida e com meus sonhos, mesmo quando penso em sepultar toda minha vida, mesmo quando decido jogar tudo para o alto e deixar que o fim se aproxime o mais rápido possível. Creio no Espírito Santo que realiza maravilhas e prodígios, mas que realiza o maior dos milagres que é salvar e converter aquele que estava perdido.

Creio na Santa Igreja Universal. Creio no corpo de Cristo, unido por Ele e n’Ele. Creio que, se estamos junto com Ele, não temos necessidade de digladiarmos e de nos matarmos mutuamente achando que somos inimigos uns dos outros e não irmãos.

Creio na comunhão dos santos. Creio na cura que há no perdão e no partir do pão. Creio na aceitação uns dos outros não baseando-nos nos nossos gostos e nos nossos conceitos corrompidos de pecado, mas no fato que o nosso Pai aceita a todos e todos são recebidos por Ele da mesma forma e são todos coroados por Ele como príncipes e princesas. Creio que não necessitamos brigar e ficar com conversas malignas que corrompem os bons costumes, pois há lugar para todos.

Creio na remissão de pecados. Creio que não preciso pagar nada pelo perdão que já está pago. Não preciso me comprometer com nenhuma artimanha que tente me enganar que diz que devo fazer algo para ser aceito por Deus. Deus me aceita, e isso é um fato, do jeito que estou; mas me ama tanto que me apresenta o melhor para decidir por esse melhor.

Creio na ressurreição do corpo. Creio que um dia esse corpo não mais estará comigo, mas um melhor, um corpo aperfeiçoado e digno do Senhor. Creio na redenção final e meu corpo pede para que isso aconteça, a criação clama que esse dia chegue o mais rápido possível.

Creio na vida eterna. Creio que um dia meus olhos não mais ficaram embaçados pelas lágrimas, mas poderá ver claramente a glória da recompensa que está reservada para aqueles bem aventurados que o mundo tanto despreza. Creio que não haverá mais a necessidade de choro e nem de desespero, pois haverá um momento histórico onde meu Senhor passará sua mão em meu rosto e enxugará dos meus olhos toda lágrima. Amém.

Qualquer que for o evangelho apresentado que não coincida com o evangelho da graça de Deus, que este evangelho seja anátema e que não tenha lugar no coração dos verdadeiros príncipes e princesas do Senhor.

500 Anos do Nascimento de João Calvino!


Meu 28º Aniversário!


Tem dia que quando chega, faz a gente pensar em muitas coisas, refletir em outras ou simplesmente faz a gente curtir o que já aconteceu. Ontem foi meu aniversário e gostaria de agradecer inúmeras pessoas que ligaram ou deixaram suas mensagens no orkut ou mesmo apareceram lá em casa e de lambuja comeram um bolo maravilhoso preparado pela Bah (tista)!

Muito obrigado a vcs que fizeram desse dia um dia especial, um dia inesquecível, um dia que foimuito bom ter vivido. Meus pais estavam aqui, alguns amigos puderam e fizeram questão de estar aqui comigo. Gente que ama a gente de verdade e não esconde isso de ninguém. Um abração a vcs e quero dizer que amo muito vcs.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Adeus Billie Jean!



Praticamente uma semana depois do ídolo, do rei do pop mundial Michael Jackson ser dado como morto por muitas razões, e muitas das quais não teremos acesso nenhum, hoje está acontecendo em Los Angeles, no ginásio conhecido como Staples Center, onde inicialmente estava acontecendo os ensaios da turnê com 50 shows marcados em Londres, o ofício fúnebre de alguém que precisou ser adulto aos 5 anos de idade.
Só acho um absurdo gente ainda querendo fazer dinheiro com a tragédia alheia. Gente que estava vendendo os "ingressos" para o velório (já parou pra pensar nisso?? Ingressos para velório??) e faturando 20 mil, 30 mil e até 40 mil dólares.
Hoje é um dia marcado pela tristeza no mundo da música, pois o que parecia ser impossível está acontecendo; Michael Jackson está morto. Que ele possa descansar em paz!

As Aparências Enganam????


Ode A Humanidade!


Carregamos dentro de nós expectativas e sonhos que são tão fáceis de serem decepcionados e frustrados como um copo de cristal pode ser quebrado. O problema é o que fazemos quando tudo se vira contra nós e contra aquilo que tanto acreditamos ser certo. O problema está naquilo que decidimos quando a resposta para nossos objetivos é um sonoro “não”. O problema mora na perca da razão e nos tornarmos racionalmente incontroláveis.

Todos passam por sofrimentos e perdas. Quando era criança, tinha certa dificuldade de aceitar que eu tinha perdido alguma coisa. Não gostava de perder no jogo, não gostava de perder na escola, não gostava de perder alguém, não gostava de perder na vida. Nunca me dei bem com a perda de algo. Desde cedo nunca me dei bem com a perda de um ente querido, de um amigo ou de algum animal de estimação. Sempre busquei a vingança como forma de trazer uma medida de paz à minha mente perturbada. Achava que machucando os outros, eu me sairia curado. Ledo engano meu!

Percebi que nada me satisfazia mais ou me trazia mais orgulho, ainda que fosse muito sutil, a queda de alguém. Não sei; apenas me sentia entusiasmado com a idéia de compartilhar com alguém que uma pessoa da igreja, muito influente de preferência, sofreu uma queda e está sendo disciplinada. Ficava ainda mais feliz quando a pessoa em questão tivesse me causado algumas dores de cabeça ou pequenos incômodos estomacais.

Não sei você, caro leitor desse texto, mas me sentia bem de ter uma conversa sobre a vida alheia e com pessoas que pensavam iguais a mim. Sentia-me parte do grupo, sentia-me parte daquele reduto de marginais e assassinos espirituais que se achavam no lugar de Deus de julgar e massacrar a vida alheia. Não sei você, meu caro leitor, mas um dia já pensei em causar um transtorno apenas para mostrar quem realmente manda na zona. Apontar o dedo para alguém é tão bom, é tão prazeroso, dá-nos uma sensação de bem estar tremendamente incontrolável e quando nos damos conta já estamos com o dedo esticado para os outros sem ao menos perceber que existem três diretamente apontados para nós mesmos.

No início disse que gostava que as pessoas se machucassem por aquilo que elas tinham feito contra mim, mas percebi que alguém se machucou por minha causa sem ao menos eu merecer, sem ao menos ter uma chance de se defender, sem ao menos ter o cuidado de passar por um julgamento justo com pessoas íntegras sendo seu júri. Alguém pagou o sofrimento que era meu apenas para que eu hoje tivesse o que eu jamais em meus sonhos poderia imaginar possuir. Alguém não me julgou pelos meus atos e pelas minhas escolhas erradas, muito pelo contrário, antes se julgou a si mesmo e sofreu a pena que era minha. A justiça que era para ser jogada toda sobre mim, foi parar em um inocente que decidiu me perdoar e me aceitar como sou para depois, aos poucos, dar-me infinitamente mais daquilo que eu pudesse merecer.

A maior homenagem que alguém poderia fazer à humanidade foi feita há dois mil anos, onde o Filho do Homem, o Filho de Deus, o Messias, o Cristo foi pendurado em um pedaço de madeira maciça, cuspido e humilhado, jogado nas mãos de homens corruptos e maldosos para que fosse demonstrada a maior demonstração de amor que um Deus poderia ter por Seus servos, para que fosse demonstrada a verdadeira justiça celestial, para que fosse demonstrada como Deus pensa acerca de nós, para que se provasse como é um amor de Pai.

Por isso que não vale à pena a vingança, não vale a pena se martirizar e se machucar todo por quaisquer razões, não vale a pena nos matar por um punhado de reconhecimento ou aprovação, ou qual for o motivo, por mais justo que aparentemente pareça, não vale a pena! O único e verdadeiro sentido da vida reside em reconhecer a homenagem do Calvário e a celebrar a vida que começa em um túmulo vazio.

Estrelas Não Podem Morrer!


Os ídolos da cultura pop estão morrendo e desaparecendo. Recentemente o mundo paralisou diante de uma notícia muito triste; Michael Jackson havia morrido. Da mesma forma como ocorreu com Elvis Presley e John Lennon e tantos outros ícones da música que causaram algum impacto na vida das pessoas, o sentimento de que perdemos uma batalha, a sensação que fica é que perdemos alguém que jamais acharíamos que passaria pela morte.


Esse é o ponto que gostaria de falar. Pessoas como os astros da música e do cinema são idolatrados e colocados em um patamar que eles mesmos têm problemas em lidar, daí então, chega a cogitar que as mortes dessas pessoas não podem acontecer. Não sei, apenas tenho essa sensação de que os ídolos não morrem, não desaparecem, eles não podem, eles não têm o direito de simplesmente sumirem assim das nossas vidas. É exatamente isso que acontece com os fãs e com aqueles simpatizantes da vida e obra de determinado artista.


O que esquecemos, ou melhor, o que nos fazem esquecer é que esse povo todo da televisão, da rádio, do show business e dos shows mega produzidos são pessoas como eu e você que sofrem de males, até mesmo piores do que aqueles que assolam a nossa vida. São pessoas que têm sonhos e desejos, quiseram chegar até onde chegaram, desejaram ter uma vida de badalação e tudo mais; mas o preço foi muito caro! Agora eles são obrigados, às vezes, a serem tudo na vida, menos o que realmente são; pessoas.


Assim somos nós, seres humanos! Queremos o mundo todo e nos esquecemos que o preço que é pedido é muito alto e não se paga apenas com aplausos e elogios, mas se paga com a própria vida. Perdemos Michael Jackson, assim como perdemos Tom Jobim, assim como perdemos Ayrton Senna, assim como perdemos nossos tios e tias, assim como nós perdemos nossos pais e amigos. Todos são pessoas que passaram por aqui e deixaram marcas inevitavelmente.


Não conseguimos conviver mutuamente sem causar impacto na vida de quem nos rodeia. Até porque somos chamados justamente para isso. A marca que devemos deixar nas pessoas é sempre lembrar que existe um lugar melhor que aqui e que esse lugar existe e que acreditamos e apostamos todas as nossas fichas nessa verdade. Não duvidamos e nossa vida é prova disso. Vivemos na expectativa do céu, de morar de verdade em um lugar legitimamente nosso, sem pagar imposto nem aluguel a ninguém.


Nesse lugar nossos ídolos não nos decepcionam morrendo sem pedir permissão. Nesse lugar não há morte nem dor e nem sofrimento. Nesse lugar as estrelas não morrem, elas brilham refletindo a luz que flui naturalmente do Sol da Justiça. Elas dançam e continuam a brilhar, mesmo que ainda o panteão das estrelas ainda esteja faltando algumas peças. Não se nega a verdade! Estaremos juntos onde não teremos mais de enterrar ninguém e de nos contentarmos apenas com suas obras e com a lembrança de que um dia tínhamos uma estrela entre nós.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

O Segredo de Bill Gates!


Boliche Humano!!!


O Céu Começa Aqui!


Nunca antes a mensagem do céu tem falado tanto comigo como nesses últimos tempos. Não sei o porquê de tanto incômodo, mas me sinto muito bem quando o assunto é o céu. Antes ele me incomodava e me deixava um tanto desconfortável, pois me remetia à morte e à separação, coisas que juntas causam um enorme prejuízo no sentimental das pessoas.

Entendo porque muitas vezes as pessoas não querem ouvir falar sobre o céu. As conquistas e as pseudo-vitórias devem ser concretizadas aqui nessa terra. O resto é resto. Mas percebam que o resto, ou melhor, o que sobra é justamente o melhor; o céu! As pessoas não entendem que nossa principal vitória é alcançada fora desse mundo, a nossa principal conquista começou na cruz e termina diante do trono do Senhor em glória e majestade. Não há nada nessa terra que possamos comparar com a glória que nos está à espera na eternidade. Não há desejo maior no meu coração hoje que não seja alcançar de vez esse bem maior que é a paz completa e a redenção plena nos braços do meu Pai.

Quando disse isso certa vez, um jovem disse que as pessoas não falam mais assim. E o pior é que ele está certo. Os púlpitos e as igrejas estão cheias de pessoas interessadas apenas nos carros do ano e no dinheiro. Quanto mais, melhor! Quanto mais eu tiver, mostro para as pessoas que sou muito abençoado e digo com isso que as bênçãos de Deus estão condicionadas a essas coisas, e não à salvação, e não à ressurreição, e não às bem-aventuranças de chorar e ser consolado, de ser pacificador e herdar a terra. Não, isso não se fala mais e não tem lugar nas nossas conversas!
Hoje quero dizer para quem estiver lendo esse artigo, seja onde for, que meu coração anseia pelo céu e pela eternidade. Sou alguém que ama o céu e quero ir para lá. Entendo que não preciso fazer absolutamente nada para merecer o céu, porque até mesmo a mais poderosa atitude que eu possa fazer não mo garante. Mas sei que Aquele que é maior que as minhas poderosas atitudes fez abrir caminho para minha chegada. Sei que posso ir para o paraíso eterno apenas seu eu crer no meu Criador e Senhor e viver mostrando isso para as pessoas.

As pessoas não falam mais sobre o céu porque não encontram mais aqueles que dão as suas vidas para mostrar que o céu existe. Estão preocupadas com suas medíocres vidas e com suas medíocres expectativas acerca do que se pode fazer aqui, e tão somente aqui. São tão pequenos que não enxergam a grandeza daquilo que os espera na eternidade e não conseguem pregar com suas vidas que o céu é possível ser encontrado e mais ainda, é possível experimentar um pouco dele aqui na terra.

Experimentar um pouco mantendo firme o caráter do Senhor enraizado nos nossos corações e assim, refletir o ser de Cristo em abraços e beijos sinceros, em palavras verdadeiras de consolo, apoio e amizade, mesmo que essas palavras doam nos nossos ouvidos. É possível experimentar o céu em um sorriso apenas como um presente, um desejo de bom dia. É possível experimentar o céu quando perdoamos aqueles que nos machucam e conseguimos, ainda que com certa dificuldade, tratar daquilo que nos machuca sem machucar mais ninguém. É possível experimentar o céu aqui na terra quando nos damos bem conosco e com as pessoas, mesmo que elas não se dêem com a gente. É possível experimentar o céu aqui na terra quando mostramos que há sempre dois lados para serem apreciados quando numa situação de confronto e que a compreensão sempre será o melhor caminho. Experimentamos o céu aqui na terra quando não criamos problemas, mas ajudamos a resolvê-los.

É por essas e por outras que eu continuo vivendo e ansiando o dia de me encontrar com Aquele que me deu o privilégio de viver e de mostrar ao mundo que é possível acreditar que o céu começa aqui e continua além mar.