domingo, 23 de agosto de 2009

Se Hoje Fosse Seu Último Dia!


Uma vez me perguntei o que faria se recebesse um diagnóstico médico dizendo que teria mais um dia de vida apenas. Muitas coisas passaram pela minha cabeça; tantas que nem em 24 horas que conseguiria fazê-las, pois passaria mais tempo nas ruas, nas estradas e nas avenidas indo atrás de quem me interessaria me encontrar nesse meu último dia. Talvez dissesse umas meias palavras para quem precisasse ouvir, talvez fosse ficar tocando bateria com amigos até a hora chegar, talvez saísse com minha esposa e visitaríamos o lugar dos nossos sonhos. Na verdade, talvez, não faria nada; ficaria curtindo o tédio do fim.

É bom pensarmos de vez em quando nesses assuntos porque nem sempre sabemos quando será nosso último dia. Tantas coisas pra resolver, tanto para se fazer e sonhos que ainda não se realizaram, tantas oportunidades que ainda não foram aproveitadas e quando o fim chega a máxima de que “a gente só valoriza algo quando perde” se torna realidade.

Vale lembrar que sempre Deus nos convida a ser diferentes daquilo que é a proposta do mundo, ou seja, pensar em nós mesmos apenas. Mas acontece que nem isso as pessoas estão conseguindo fazer. Não conseguem realizar o tanto querem porque o tempo é curto, o trabalho escraviza e não paga bem, a família só existe na foto e a alegria é apenas mais uma palavra bonita que a gente escuta nos sermões de domingo.

Todo dia é uma oportunidade de se fazer o bem. Todo dia é uma novidade. Se a gente não aprender a viver cada dia como uma novidade, uma surpresa, um conto de fadas com bruxas e princesas, a gente perde sentido de ser e fazer as coisas. Aprender a amar os outros e respeitar quem nos aborrece é um exercício para os heróis da fé. Heróis esses que muitas vezes são anônimos e desconhecidos das revistas e jornais; são desconhecidos das colunas sociais evangélicas, mas são amigos de anjos.

Gente que vive como se fosse o último dia na Terra, não deixa nada em branco e nada no preto, mas deixa tudo certo sem taxar de preto ou branco. Gente que vive vendo o amanhã como uma oportunidade nova e uma aventura deslumbrante. Gente que não tem medo do fim, pois o fim para eles não existe, apenas uma mudança de endereço.

Se hoje fosse meu último dia na Terra eu certamente estaria cercado de gente, cercado de amigos que já provaram estar do meu lado nos momentos mais escuros e desesperadores. Pessoas que abrem suas casas; cedem suas camas, compartilham seus talheres e pratos, levam-nos em seus carros, abençoam-nos com investimento financeiro, emprestam suas roupas e nos dão licença para morar em seus corações. Para mim seria a melhor maneira de viver meus últimos dias; estar com essas pessoas. Sendo assim, cada dia é uma novidade, uma chance nova, uma fascinante história de encontros e desencontros, um aprendizado que custa caro, mas vale a pena! E como vale!

2 comentários:

FÁBIO disse...

Nuuuuuhhhhhhhh.....

Eh issu ai, paxtor, bem legal seu modo dii pensar...

as vezes, naum sabemos o qnto é valioso um simples respirar....

fabinho, acampa MPC-udi, Mg

Anônimo disse...

Caramba, parabéns. Chorei, você escreve muito bem. Eu faria o mesmo.