domingo, 30 de agosto de 2009

Igreja: Máquina ou Humana?


“Não sois máquinas, humanos é que sois”!

Quando ouvi essa frase pela primeira vez não pude conter a comparação com a Igreja dos nossos dias. Igreja aqui se tratando dessa instituição chefiada pelos homens e corrompida pelos mesmos. Sei que há diversas qualidades e pontos positivos em relação à Igreja, mas minha intenção aqui não é tratar de pontos positivos, mas falar sobre o que tem assolado corações e aberto feridas quase que incuráveis em muitas vidas e ministérios.

Quero dizer que este artigo também é um clamor de um sonho de ver a Igreja curada em muitos dos seus aspectos. Isso implica cura de seus membros. A instituição está aí por causa dos homens e da organização que se faz necessária para termos uma direção, um norte para onde podemos seguir e colocar nossa confiança. Mas quando essa instituição está doente, quando seus líderes são pessoas doentes, o norte fica doente, a direção fica falha e o povo padece por causa da fome espiritual e de intimidade com Deus que eles não vêem seus líderes ter.

O que acontece em muitos púlpitos é uma mistura de obrigação, dever com uma profunda necessidade de apenas servir sem precisar mostrar serviço para ninguém, apenas para Deus, que por Si já é uma cobrança pesadíssima. Fazer essa máquina institucional girar o tempo todo gera um sentimento de frustração em muitos pastores e líderes de ministérios. Quando algo não dá certo, a gente quer procurar um culpado, quer achar um álibi para tirar o nosso da reta, quer encontrar mil e uma desculpas. Parece ser difícil encarar o “não deu certo” como uma intervenção de Deus para que aquilo não se realizasse; entender apenas que Deus não quis e pronto. Sem crise, seguindo a trilha sabendo que Ele sabe o que está fazendo.

Mas isso não basta. Parece que a fome por poder e por controle faz muitos lideres e pastores fecharem seus olhos e taparem seus ouvidos para aquilo que Deus quer e deseja realizar.

Somos chamados a sermos humanos nas mãos de um Deus amoroso. Chega dessa história de resultados por nossas mãos e esforços. Deus é quem dá o crescimento, já dizia o apóstolo Paulo. Agora se alguém aí tem mais experiência que Paulo e discorde dele, por favor, que o diga antes que eu termine.

Somos chamados para uma luta onde já somos vitoriosos, é só confiar e saber que Ele tem o melhor para nós, sem desespero e sem mágoas. Não precisamos negociar com Deus, não precisamos barganhar com Deus títulos e reconhecimentos. Isso é totalmente desnecessário quando se fala de relacionamento com Deus. Deus só quer nosso coração, só quer ter um relacionamento desprovido de qualquer fator externo de negociação onde o objeto da barganha seja a benção em troca de esforços físicos, emocionais e espirituais. Não precisamos de nada desse lixo.

A igreja só será o melhor lugar na terra quando ela se tornar o centro da vontade de Deus. Quando homens a usarem para angariar riquezas, protegerem seu patrimônio, manipular pessoas inocentes, ela continuará sendo uma máquina de causar sofrimento, desespero e decepção em muita gente. Mas acredito em Deus e não acho que Ele permitirá que sua noiva seja tão suja assim por esses porcos travestidos de pastores e por esses lobos travestidos de ovelhas. Um dia ela estará limpa, linda e purificada para o grande encontro com seu Noivo. Que o Senhor tenha misericórdia de todos nós, todos nós!

2 comentários:

Danilo Fernandes disse...

Cris!

Otimo texto. Deus anda entrando no cenário causal ( na mente das pessoas) apenas como coadjuvante!

Há textos seus aque que seria ótimo postar no Genizah, que conta ocm publico de 3-5 mil pessoas dia. Me diga o que pensa a respeito por lá.


Vamos nos seguir. Te vejo por lá!

A Paz e o Bem!

Abraços,

Danilo Fernandes

http://www.genizahvirtual.com/

Danilo Fernandes disse...

Cris!

Então vou começar por este. Depois, tendo outros na linha de apologética com humor é so me mandarpor e-mail.

Abração

Danilo